Texto Lançado no Dia do Geógrafo

29/05/2015 02:59

29 de Maio, Dia do Geógrafo

Nesse dia 29 de maio, dia do geógrafo a AGB Seção Niterói vem lembrar o papel de militante do geógrafo. É concepção da entidade que geógrafo não se restringe ao bacharel, ser geógrafo é ler o mundo e intervir na sociedade a partir da geografia. Assim, somos bacharéis em Geografia, mas também professores da educação básica e do ensino superior e estudantes de graduação e pós-graduação em Geografia. Reiteramos nosso posicionamento por uma Geografia Militante, comprometida com as lutas sociais. Não apoiamos o produtivísmo existente na academia, mais do que “engordar” o lattes a produção do geógrafo deve servir a transformação da realidade em prol de uma sociedade mais justa.

A AGB deve ser uma entidade de luta, e não uma entidade meramente acadêmica e burocrática, preocupada apens com a produção do conhecimento científico. A AGB pauta lutas na sociedade (no campo, na cidade, na profissão, na educação, questão racial, gênero,). Assim, na conjuntura atual é necessário que os geógrafos, nessa concepção agebeana do termo, tomem posição.

Vivemos uma conjuntura de ajustes fiscais, terceirização, lei em benefício do trabalho escravo e cortes de verbas da educação em todos os níveis, significa que mais uma vez são os trabalhadores e os grupos sociais de renda mais baixa que sofrem os impactos das políticas. A reação dos Movimentos Sociais, entidades e Sindicatos já começou, greves e manifestações ocorrem pelo país. Destacamos na Educação básica, os diversos movimentos de greve ocorrendo ou em vias de ser de serem deflagrados, como nos estados do Paraná, São Paulo, Amapá, Amazonas, Espirito Santo, Distrito Federal, Bahia, Paraíba, Goiás, Pernambuco, etc. E na educação superior as Universidades Federais já decretaram greve.

A AGB-Niterói manifesta total apoio aos movimentos e suas reivindicações e conclama os geógrafos a se posicionarem, não só perante a greve, mas as outras questões que afetam também os professores e professoras de Geografia e que a AGB já se debruça através do GT de Ensino, como as políticas educacionais, a precarização do ensino e a Reforma do Ensino Médio atrelada a instituição de uma Base Nacional Comum de Currículo que pode alterar a educação em todos os níveis organizando o currículo por áreas de conhecimento e o regulando através da avaliação, algo que já está em curso.

Também no espaço agrário, onde a AGB vem atuando por meio do GT de Agrária a intervenção é comprometida com os Movimento Sociais e assim vem refletindo e produzindo ações perante os Grandes Projetos em curso. Já na questão urbana o GT de Urbana de Niterói reforça o entendimento da Luta Urbana, tendo a Reforma Urbana como pauta enquanto movimento pela conquista do direito à cidade, imprescindível para a construção de uma sociedade justa e igualitária. Assim, urge que o geógrafo se posicione na luta pela Reforma Urbana construindo uma práxis que contribua com essa luta, assim o GT atuou, por exemplo, na leitura e crítica do Projeto de Lei da Operação Urbana Consorciada da Área Central de Niterói/RJ, um projeto privativo e excludente que o poder vigente impôs ao espaço urbano do munícipio.

Por fim, lembramos mais uma vez que o que nos guia é a busca de uma práxis na Geografia, que o tempo todo repense o sentido de nossas teorias e ações para a transformação da realidade. O papel da AGB, dentro do que discutimos na geografia, é possibilitar e provocar a reflexão da sociedade. Somos geógrafos que acreditamos na reflexão como processo contínuo, somos partes que juntos formamos uma entidade. Lutamos com movimentos que estão a favor dessa reflexão na sociedade em uma construção constante e coletiva.

AGB-Seção Niterói